Demóstenes diz que é vítima de máquina de moer reputação

Extraído de: Agência Brasil

Luciana Lima
Repórter da Agência Brasil 

Em mais uma tentativa de convencer os colegas a votar contra a cassação de seu mandato, o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) sustentou hoje (3) que as gravações da Polícia Federal que servem de prova contra ele foram manipuladas e obtidas de forma ilegal. Segundo o senador, a divulgação de trechos das gravações na imprensa serviram para manchar sua imagem.
Demóstenes disse que, combinadas, as ações desenvolvidas pela Polícia Federal e pela imprensa tornaram-se uma máquina de moer reputação da qual ele foi vítima. O título da transcrição virava título das manchetes, reclamou o senador, referindo-se aos agentes da Polícia Federal responsáveis pela gravações. 

Desde ontem (2), Demóstenes, que tinha optado pelo silêncio, deixando a maior parte das declarações para seus advogados, adotou a estratégia de falar, todos os dias, na tribuna do Senado. O objetivo é tentar reverter a possibilidade de cassação de seu mandato.
Reafirmo a todos que sou inocente e que o tempo provará isso, reafirmou hoje, em discurso, o senador. 

Ele reclamou que seu direito à ampla defesa não foi respeitado pelas instâncias de investigação. Para me investigar ilegalmente, utilizou-se tecnologia de ponta. Para me julgar, usam métodos medievais, disse Demóstenes, que também reclamou de não ter obtido do Conselho de Ética uma perícia nas gravações, solicitação feita pela defesa durante o processo de quebra de decoro que resultou no pedido de cassação. 

O discurso desta terça-feira foi o segundo feito por Demóstenes depois que o Conselho de Ética 
do Senado aprovou, por unanimidade, o relatório que pede a cassação de seu mandato. Ontem (2) ele pediu desculpas aos colegas e informou que ocupará a tribuna até o dia do julgamento em plenário, marcado para o próximo dia 11. 

Para cassar o mandato de Demóstenes são necessários 41 dos 81 votos dos senadores. A votação em plenário é feita de forma secreta. 

O processo contra ele está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e já teve parecer favorável à constitucionalidade, emitido pelo relator, senador Pedro Taques (PDT-MT). Amanhã (4) o relatório do senador será lido e votado pela CCJ. 

Demóstenes é acusado de relações estreitas com o empresário goiano Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, suspeito de operar um esquema de jogos ilegais e tráfico de influência que contava com a participação de políticos e empresários.
 
Edição: Nádia Franco

Um comentário:

Camilo Barbosa

Professor universitário: Formação e carreira na docência
  • 1. Formação

    Graduado em Direito pela pela Universidade de Rio Verde (UniRV)

  • 2. Especialização

    Especialista em Direito Processual: Civil, Penal e do Trabalho pela Universidade de Rio Verde (UniRV)

  • 3. Coordenação

    Foi Coordenador do Curso de Direito do Instituto de Ensino Superior de Rio Verde - IESRIVER (Faculdade Objetivo)

  • 4. Docência

    Atualmente é Professor no Curso de Direito da Faculdade Almeida Rodrigues (FAR) e responsável pela divulgação dos cursos da Instituição de Ensino. Foi professor no curso de Direito da IESRIVER (Faculdade Objetivo) durante 15 (quinze) anos (2002/2017) e também professor na Faculdade Quirinópolis (FAQUI).

    800

    mais de 800 acadêmicos

    50

    Publicações, Congressos e eventos jurídicos

    324

    Orientações

    18

    Organizações de eventos e professor convidado

    Siga-me nas redes sociais

    Me envie sua mensagem

    Ou use os meios abaixo para entrar em contato

    • Rua Quinca Honório Leão, nº 1030 Setor Morada do Sol, CEP 75909-030 | Rio Verde, Goiás
    • +55 64 98105-4555
    • camilobarbosavieira@gmail.com
    • http://www.professorcamilobarbosa.com.br/

    Pages